Destaque

Finalmente… casa própria!!!

 

Bem-vindos!WIN_20180605_16_31_40_Pro

Um blog destinado a líderes medíocres, liderados alienados, inovadores preguiçosos, disruptores analógicos, consultores dominicais, entendedores holísticos e viajantes com passaportes vazios… eu, você… nós!!!

A todos que me permitem farto material real para pseudo-inspiração virtual!

Estarão aqui os posts dos primórdios de minha magistral, indelével, marcante e desnecessária história no Linkedin, talvez organizados por temas, outros com comentários do Diretor, talvez,

e, certamente, alguns exclusivos, talvez… enjoy it… ou não!

#oreiestanu

*********************************************************

Não bastasse, o cara ainda tem um livro absolutamente genial…

livrinho

 

Para de encher meu saco!!!

Existem Líderes, existem pessoas que SÃO líderes, existem pessoas que ESTÃO líderes, existem pessoas que PENSAM ser Líderes e, existem pessoas que NÃO são líderes…

Refiro-me agora as pessoas que JAMAIS desejarão ser líderes !!!

O Cara só quer trabalhar, na dele, concentradamente!

Nem aumento salarial precisa. Sem team building, sem abraço grupal, sem “que animal você seria?”, sem clima organizacional, sem feedback, sem energização, sem coach, sem café da sexta-feira, sem almoço de integração, sem bosta nenhuma.

Só trabalhar, concentradamente!

Inacreditável, você pode pensar, mas ainda existem funções assim, que necessitam deste introspecção quase psicopata [pelo menos aos olhos do que seja o estereotipado excelente profissional nos dias de hoje: extrovertido, felizão, multifacetado, agregador, o tal burrinho legal…]

Porém, para sua incredulidade, existem pessoas assim! Fechadas, introspectivas, esquisitas… dizem até… Mas Que gostam destas funções impensáveis para você!

E Que só querem trabalhar, concentradamente!

E elas são necessárias!

São Elas que resolverão aquele puta problema que não se resolve com power point, que precisa de laboratório, de um DOE bem robusto, de conhecimento profundo e de paciência oriental!

Então, tratemos de não estuprá-los moralmente, mentalmente e sacalmente!

Como eu poderia dizer, educadamente…

“Para de encher o saco do cara! Deixa o cara trabalhar! Puta que pariu…”

#oreiestanu

 

Anúncios

de olhos bem fechados!

Entendo meu desejo óbvio de querer fazer apenas o que amo! Porém, estatisticamente, as probabilidades de que isto ocorra são bastante remotas, ínfimas, nulas… a menos que eu ame tudo, ampliando o universo de alternativas!

É mais provável que eu tenha que me agarrar ao que apareça e aprenda a me apaixonar no caminho. Tipo casamento arranjado! Tipo dirigir um Livina, ou uma Spin, que só pode ter sido ganha na rifa da paróquia para você ter um….

Parece pouco romântica tal afirmação, mas dívidas, boletos, agiotas, questões de saúde e família, somados a um pouco de conformismo, volatilidade de convicção e de se colocar a culpa alheia me ajudarão neste processo de se gostar [na marra] do que se faz.

Até mesmo porque, fingir que se está feliz no trabalho não se sustenta por muito tempo, mesmo com prêmio por fazer o melhor Expurgo de catarro ou por vender mais planos de assistência Funeral.

E corre-se o risco das pessoas realmente acreditarem e me deixarem nisto para sempre.

Talvez, isto seja até bom! Caso contrário, quem faria nossa Contabilidade ou Despacharia nossas muambas da China para cá?

Pouco provável que sejam frutos de uma vocação ou de um desejo incontrolável.

 

E existe sempre o risco de fotos com o Chefe…

isto é mais apavorante do que salários baixos ou funções mal reconhecidas.

#oreiestanu

Buffet a quilo de Motivação

Em tempos de perfeição,    super-heróis,    queijos & monges,   autoajuda,    self-service de tarjas pretas,   alegrias embaladas,   motivação personalizada e  manadas irritantemente energizadas, Desistir é um ato tão raro quanto se encontrar a nobreza em atos.

Desistir é o suprassumo da Excelência!

Desistir é Nobre!

Desistir é Super-humano!

Desistir deveria ser o que de mais especial se busca num sapiens… leoas desistem…

Porém…

Não há mais espaço para desistentes, não há clemência para com desistentes.

Por que eu não posso NÃO mais querer?

A desistência não se limita em si. Quando se desiste, joga-se toda uma vida e um caráter na grande lixeira da hipocrisia moderna.

Porque Desistir é perder, desistir é falhar, desistir é fracassar…

Haverei de ser tachado por tudo o que fiz e por tudo que farei como um covarde, afinal, uma única desistência contamina todas as outras persistências, mesmo as inúteis.

Mas não permitirei, eu, que adoro a Desistência!  Eu posso fazer uma desistência blasé [minha preferida], tão perfeita que não se saberá se desisti por ser muito complexo ou por ser muito fácil.

Ou a desistência heroica, em que não havendo mais saída, apela-se pela inversão dos valores, e infringe-se uma autoimolação digna de Escrituras.

Não importa. Eu desisto sempre que posso!

A frouxidão de meus sentimentos precisa vir à tona pelo menos uma vez por existência. E por desistência!

Desculpe-me por existir… e por desistir!

#oreiestanu

DONA NATÁLIA É A MINHA PERSONAL-OUTSTANDING-PERFORMANCER!

Dona Natália, além de responsável pelo cafezinho, como excelente Gestora que é, utiliza-se de métricas extremamente modernas para monitorar meu desempenho.

Diariamente, ao apanhar minha lixeira e percebê-la vazia, e sabedora de que eu estou ouvindo claramente, comenta em voz suficientemente baixa:

“MEU DEUS, não fez nada hoje, hein! Seu Márcio…”

Dificilmente passo uma semana sem ouvir este feedback assertivo.

Porém atento que sou ao meu desenvolvimento impessoal, eu deveria endereçar imediatamente este gap de desempenho.

Desta forma, dei um jeito de acumular papéis na lixeira. Papéis de todos os tipos, inclusive pilhas daqueles formulários contínuos, verde-branco, utilizados em impressora matricial, também folhas de fax amareladas, já sem texto algum e canhotos de cheques do Nacional. Folhas de livros motivacionais também contribuíram para um preenchimento mais intelectual.

Agora Dona Natália me paga!!!

Estava ávido pelo novo feedback, ao ver a lixeira abarrotada de papel, e que finalmente agradaria a Dona Natália, após anos de letargia laboral de minha parte.

Finalmente é Quinta-feira!

Ela entra…

Eu largo um bom-dia de gente ocupada, olhando para a tela do computador sem vida, segurando a respiração…

Dona Natália passa por trás de mim…

Eu a persigo até onde o canto dos olhos permitem…

Dona Natália se abaixa até a lixeira, remexe a pilha de papéis e dispara:

“NOSSA… Fez tudo errado hoje, hein! Seu Márcio…”

#oreiestanu

Dis-LikedIN (meu ego não cabe mais no Linkedin)

DisLike-IN. O Linkedin está pequeno para o meu Ego!

Estou criando minha própria rede social! Será a única a medir o IIVAP: Índice de Idiotices e Vergonhas Alheias em Posts. Enfim, uma rede social para chamar de minha e conversar comigo mesmo.

Ela nascerá com substanciais diferenciais, entretanto destaco algumas que potencialmente aumentarão a qualidade do conteúdo:

. Todos os integrantes já nascem com um limite de 100 mil seguidores. Desafios sobre quem é o mais altruísta, humano, falho, sensível, gratidoso, não serão mais necessários. O desafio será se manter com seguidores originais. Tipo nota  de Ginástica!

. As publicações já nascem com muitos likes, vários, infinitos…. Na verdade, o autor já  definirá na publicação, a quantidade de likes que o post receberá. Uma inovação! É possível que o próprio autor não goste, ou não concorde , ou mesmo, não acredite , no que acabara de escrever, mas… precisa aprender a lidar com todos os seus caráteres!!!

Apesar de que não aja uma garantia , o propósito é que a qualidade de conteúdo  aumente. Supomos que eliminando estas demandas narcisistas, posts ruins e forçados, criados especificamente para fisgar tolos, sejam desnecessários. Tomara que não!

. Outro ponto, assim que se entrar com o Cargo, Título, Função, imediatamente uma avaliação com Conceitos Fundamentais na área referenciada será demandada, exigindo mínimo de 10% de acerto para validar o Título inserido. Supomos, assim, estar reduzindo os achismos em assuntos estritamente técnicos;

. A palavra “Eu” será permitida de ser utilizada apenas 5x por post, dando chance para que você perceba nas outras pessoas suas qualidades, ou até mesmo, que existam outras pessoas…

(insira o num. de fax nos comentários para receber o convite para esta nova Rede)

 

#oreiestanu

Lições para uma Vida [medíocre]

“Como não empreender!” Meu case de maior sucesso!

Estou levando algum tempo até fazer decolar minhas iniciativas de Negócios!

Certamente estou deixando de fazer algo importante. Algumas delas até já identifiquei.

 

Não se trata de Gestão Financeira, preocupação com Fluxo de Caixa, Mapeamento de Riscos, Monitoramento do Concorrente, Análise da Escalabilidade, Capacitação do Time, Governança Corporativa, Entrega dos Compromissos, Controle de Indicadores…

Nada destas coisas supérfluas!

Falhei miseravelmente, perdoem-me, ao não chamar minha empresa de STARTUP!

Isto por si só já mostraria minha incompatibilidade para com o Sucesso. Já seria meu pecado capital!

 

E há outros pontos absolutamente necessários para uma performance adequada que não cumpri: Não falhei muitas vezes, a ponto de continuar aprendendo com as falhas e de modo que a falha tenha se tornado meu Produto. Estou buscando me aprimorar nisto, mas sigo falhando, ao não falhar…

 

Outro aspecto das minhas inaptidões diz respeito a minha força do pensamento. Pouca Força, fique claro. Provavelmente, não estou desejando suficientemente forte, de modo que folhas de pagamento e boletos continuam a me assombrar todo mês, e desta forma, não obtendo os mesmos resultados dos especialistas em força de vontade, alheias!!!

Envergonho-me muito desta minha fraqueza!

 

E certamente que outros requisitos também influenciam este insucesso, mas sequer tive tempo de avaliá-los, tais como:

Palestras sem sentido, Digital-Bullshitters, vídeos de Ursos, e o mais importante, não tenho conseguido me dedicar suficiente para acompanhar Ricardo Amorim em sua nova fase de Economista Emocional.

 

Estou fadado ao fracasso!

#oreiestanu

 

Trilogia completa: O Poderoso Cagão [Capítulos I , II e III ]

Trilogia completa: O Poderoso Cagão – Capítulos  I, II e III

Se há um mal corporativo que precisa ser combatido com todas as armas que se disponha é o LÍDER COVARDE! E não é “só casu di que ele não defende us nossu dereito”. Ele corrói a empresa toda. É como medicação para emagrecimento gerando câncer no fígado. Ouso afirmar que é quase pior que incentivador de Team-building…

 

E razoavelmente fácil identificá-lo, por suas ações auto-protetivas:

Se o chefe-cagão tem uma boa notícia para o time, ele utiliza o “Eu” para dizer que foi ele quem viabilizou, que buscou, que brigou… Chega até a dar aquela chupada no dente com o canto da boca… “schhhh! Mas Crédo se eu não ia conseguir!!!”

 

Mas se precisa dar recado ruim, do tipo: não vai ter participação de resultados… então a decisão não terá nada a ver com ele. Invocará, sem pudor, os indefectíveis “eles não deram”, “os caras é fogo…”, “pra trocar de carro tem…”!

 

Enfim, só põe o chapéu de Líder quando e se lhe convém. Muda de lado como um pêndulo oscilante. Oscilante em caráter, em valores, em competência, em liderança!

 

Mas como não é possível manter indefinidamente a farsa [até mesmo uma  máscara precisa ser lavada de vez em quando], situações embaraçosas surgem, por exemplo, em reunião de seu superior com o seu time [as tais iniciativas insuportáveis de melhoria do clima]. Chefe-Cagãozinho fica todo ressabiado se alguém vai  revelar que as amostras não ficarão prontas a tempo, dando uma maquiada no Plano do Projeto…

 

Tem mais:

Ele gera expectativas falsas.

Ele não lhe dirá “NÃO” mesmo quando for absolutamente necessário dizer “não”.

Ele não permitirá que você se exponha.

Ele não insistirá uma 2ª vez.

Ele não lhe dará um feedback de como foi negativa sua postura.

Ele não dirá que o prazo do Projeto é inviável.

Ele não….

Ele???  Nãoooo!!!

 

#oreiestanu