o futuro dos Robôs com M.A! (MALANDRAGEM ARTIFICIAL!)

o futuro dos Robôs com M.A!  (MALANDRAGEM ARTIFICIAL!)

Apesar do otimismo que brota no Brasil, estou seriamente preocupado com minha situação econômica. Nem bem o velho Ano Novo finda e dois dos meus planos mais consistentes para se chegar ao sucesso financeiro já falharam miseravelmente:

Mega da Independência e Trimania Especial de Aniversário.

A continuar dando errado, terei que arrumar alguma coisa para fazer, especialmente algo que um Robô considere insalubre, que ele não queria se sujeitar a fazer dada as condições extremamente degradantes, moral e fisicamente! Um líder coach , por exemplo… ou, desculpem-me o desespero… palestrante motivacional!!! A que nível pode chegar um ser humano…

Tenho acompanhado alguma coisa sobre este fenômeno que está ocorrendo nas empresas e percebo que os empregados estão desesperados com ideia de ter que dividir, perder ou até mesmo, ter que se subordinar a um ser frio, calculista, desumano e programado para galgar os escalões da empresa a qualquer custo, ou seja, seres bem diferente dos atuais Gestores!

Porém, já existem boatos de que convivência com os humanos já lhes permitiu aprimorar suas Inteligências Artificiais.  Tem-se notado a apresentação mais frequentes de atestados falsos, faltas nas segundas-feiras porque o Metrô bugou, perda de memória seletiva e aumento substancial do número de processos metendo a empresa no pau por conta de tarefas repetitivas…

Quer saber… Não vou nem arriscar buscar trampo agora… Provavelmente os robôs tomarão…

#oreiestanu

Anúncios

MANDAMENTOS [quase] MANDATÓRIOS DA INOVAÇÃO:

MANDAMENTOS [quase] MANDATÓRIOS  DA INOVAÇÃO:

1. NÃO PROFERIRÁS “INOVAÇÃO” ONDE, DEFINITIVAMENTE, NÃO HOUVE, NÃO HÁ, E NÃO HAVERÁ INOVAÇÃO!

2. NÃO FORÇARÁS A AMIZADE PARA ENCONTRAR UMA MANEIRA INOVATIVA DE DESCREVER SEU CARGO FUNCIONAL, A PONTO DE NÃO SE SABER O QUE DE FATO, FAZ!

3. NÃO COLOCARÁS “INOVAÇÃO” EM SEUS RESULTADOS POR TER GUARDADO REVISTAS VELHAS EM CAIXAS DE SAPATOS OU CONECTADO UMA MANGUEIRINHA NA SAÍDA DO AR CONDICIONADO;

4. NÃO DIRÁS QUE ESTEVE [E APRENDEU MUITO] NO VALE DO SILÍCIO  POR TÊ-LO SOBREVOADO A 10 MIL METROS DE ALTURA, AINDA QUE TENHA CONSEGUIDO ENXERGAR A FRANJA DE WOSNIAK;

5. NÃO DEDUZIRÁS QUE, OU PORQUE É DIGITAL, OU PORQUE TEM UM ROBÔ, OU PORQUE ESTÁ NA INTERNET É “INOVAÇÃO”. E MUITO MENOS PORQUE É APP!

6. NÃO ADMITIRÁS QUE UMA PISCINA DE BOLINHAS, OU UM ESCORREGADOR, OU FAZER UM CONSTRANGIDO CLIENTE SENTAR NUMA REDE, O FARÁ UM INOVADOR, SEQUER POR UM SEGUNDO!

7. NÃO CRERÁS, POR UM SÓ INSTANTE, QUE INOVAÇÃO NÃO LHE EXIGIRÁ DISCIPLINA, PADRÕES, SISTEMA, CONTROLE, REPETIÇÃO!

8. PROMETERÁS QUESTIONAR AO CONSULTOR DE INOVAÇÃO “O QUE ?”   E PRINCIPALMENTE, “COMO ?” ELE JÁ INOVOU.

9. RENUNCIARÁS A METADE DOS JARGÕES, EXPRESSÕES E ACRÔNIMOS QUE ESCONDEM A SUPERFICIALIDADE DO SEU CONHECIMENTO EM PROL DO ENTENDIMENTO PROFUNDO DO QUE ESTAIS A PAPAGAIAR AOS QUATRO VENTOS;

10. JAMAIS TOMARÁS ATALHOS EM TESTES E VALIDAÇÕES DE INOVAÇÕES, AINDA QUE ISTO LHE CUSTE RECOMEÇAR DO ZERO, POR VÁRIAS E VÁRIAS E VÁRIAS VEZES.

11. ABSTER-SE-Á, EM JEJUM INTELECTUAL PROFUNDO, DO TERMO INOVAÇÃO, PELO MENOS, 3 DIAS AO MÊS, POUPANDO O MUNDO, POR BREVES INSTANTES, DE SUA SAPIÊNCIA  INCOMPREENDIDA!

AMÉM!

O Homem bi – INCENDIÁRIO!

O Homem bi-INCENDIÁRIO!

Estamos sempre nos julgando superiores! Isto é um pouco nojento!

Olhe nossa presunção… estamos preocupados por estarmos robotizando a humanidade, quando na verdade, são os robôs que deveriam estar temendo por sua Humanização.

Os Robôs, tão simples em seu funcionamento binário.

Tudo montado num algoritmo de poucas variáveis e com estados claros:

Sim/Não – Zero/Um – Branco/Preto – Tem/Não tem.

Respostas diretas a demandas claras. Até mesmo para aquilo que chamamos de Inteligência Artificial, (na verdade, é quase a mesma coisa, só se aumentando a quantidade de loops…)

Os robôs estavam felizes! Bastava pressionar o botão de reset…

Então, o que fizemos?

Queremos agora ensiná-los a ponderação, a reflexão, a concessão, o meio-termo.

É, mas não é tanto!

É cinza, mais escuro, mais claro!

Está sorrindo, de tristeza! Está chorando, de felicidade!

Tem que olhar nos olhos para saber o que a boca quer dizer de verdade.

Ora, Vejam só!!!

Logo a espécie que busca e impõem a toda momento sua Supremacia, vai querer ensinar o nosso conceito de humanidade aos Robôs?

Nós é que estamos temerosos com o que ocorrerá? É isto mesmo?

Quando os Robôs descobrirem, de fato, o que somos, aí sim correremos sérios riscos de extinção…. Eles são programados para eliminar bugs…

#oreiestanu

INOVAÇÃO: quando acaba o glamour!

“Um sonho disruptivo será sempre um pesadelo incremental!”

Arievilo de Oicram

 

Asseguro:

Não são, apenas, histórias de outros;

Não são, apenas, as mesmas histórias recontadas;

Não são, apenas, dados históricos;

Não são, apenas, referências bibliográficas;

Não são, apenas, estudos de casos;

Não são, apenas, estatísticas e pesquisas;

Não são, apenas, neologismos e acrônimos;

E sim, um punhado de histórias reais e surreais, nestes 26 anos de vivências, realizações, acertos e erros, lado-a-lado com a INOVAÇÃO!

 

Mas, o que há de novo neste livro?

…. Não sei! Tendemos a pensar que somos sempre especiais e com histórias únicas… mas, realmente, não sei o que há de novo…

 

Nenhuma novidade?

Bom, se isto é requisito obrigatório, eu poderia então citar…

… que é um dos poucos livros sobre Inovação sem a lâmpada na capa… Valeu?

 

Talvez! Mas, que seja novidade mesmo?

… ahhh, poderia ser o único com um desentupidor na capa!!! Disruptei?

 

Desisto…

livrinho

Surra de Inovação, Coça de Tecnologia, Sova de Disrupção!!!

Surra de Inovação, Coça de Tecnologia, Sova de Disrupção!!!

As pias de minha empresa pingam! Eu, como grande Gestor que sou e antenado às modernas práticas de Liderança, logo abordei o problema com o viés da tecnologia inova-disruptiva.

Imediatamente, solicitei à Engenharia um estudo, balizado pelo aval de uma Consultoria laureada e em urgentes 20 meses, mais rápido que a gestação de um elefante, chegamos a solução:

. Desenvolvemos um Robô colaborativo, que montado sobre uma base orientada por sensores ópticos poderá se deslocar por entre os Banheiros;

. Através de um sensor montado em seu gripper, o robô poderá identificar a qtd de água em pingamento da referida torneira;

. Através do algoritmo de IA, definirá exatamente qual o torque a ser aplicado no fechamento da torneira x qtd de água do vazamento identificado;

. Faz parte ainda o aquecimento da pia, que evaporará a água vazada, impedindo que a mesma chegue aos nossos rios;

Ecologicamente, tudo muito correto!

 

Apresentamos então aos colaboradores, na entrega do “Prêmio Da Disrupção mais Disruptiva”, e tudo ia muito bem até que alguém lá do fundo gritou:

 

“ERA SÓ TROCAR A VEDAÇÃO, CAVALO!!!!”

 

Voltei-me para minha equipe e tratei de mantê-los motivados.

Disse-lhes que os desbravadores sempre serão vilipendiados, humilhados…

o novo sempre encontrará resistência, por mais benefícios que nos permitirá…

 

#oreiestanu

Inovação…. arruinando a Festa!!!

Tudo mundo fala sobre Inovação… Então também posso…

—————————-

 

A INOVAÇÃO DISRUPTIVA POR QUEM REALMENTE ENTENDE DAS COISAS…

O LUCAS!

Já era bastante tarde. Eu com aquelas mil coisas que vem à cabeça num momento que deveria ser de higiene mental…

Luz apagada, quando percebo a porta abrindo devagarinho… Pelo tamanhinho da mão que a movia, sabia quem era…

Fechei os olhos rapidamente, fingindo sono profundo!

Ele encostou-a cuidadosamente, andou pé-sobre-pé, subiu na cama e se aproximou bem do meu rosto, olhando fixamente.

Sentindo o ventinho que ele expirava, deixei escapar um pouco de sorriso e ele:

– Amigão? Você está acordado?

– Sim, amigão…

– Fazendo o que?

– Pensando…

– No que?

– Nas coisas que vou Inventar… Mobilidade, Segurança Infantil, Manufatura Digital, Rastreabilidade…

– Hummm… não sei bem o que é isto, amigão!!! Mas eu sei o que queria inventar!!!

– O que?

– Uma galinha que coloca Kinder Ovo…

– Eu não poderia desejar coisa melhor… Você me dá uma?

– Sim! Posso dormir só um pouquinho aqui?

– Só se me der 10 beijos de boa noite…

O Lucas tem a chave da minha disrupção!!!

#oreiestanu

——————

 

99.001 Dicas sobre inovação – disrupção

Pessoalmente, penso ser desnecessário o termo Inovação disruptiva, tratando-se quase de um pleonasmo vicioso, e viciante, dada a quantidade de referências ao termo.

Lembram do pleonasmo? Subir para cima, entrar para dentro, ter uma surpresa inesperada.

Se não desejássemos pôr o conceito de inovação em embalagem tão bonita, poderíamos utilizar tão somente inovação, simples assim e suficiente em si.

Acontece que gastamos tanto a palavra inovação, especialmente com coisas que não passam de melhorias, incrementos, que foi necessário revesti-la com uma grossa camada de ouro para dar seu devido valor.

E por falar nisto, a “Sustaining Innovation” é a nossa boa e velha melhoria incremental (pleonasmo…), mas ninguém quer ser consultor de melhoria incremental. Porém o termo é claro e também, suficiente em si!

Voltando ao termo inovação disruptiva, creio o próprio termo disruptivo ser também estranho, algo como “fiz uma volta de 360º em minha vida”, uma vez que:

Dis (contra, anti, afastamento, negação) + ruptiva (ruptura) = contra-ruptura… Mas esta é só por aporrinhamento meu mesmo…

Só estou dizendo aos leigos, nesta primeira dica das 99.001 que escreverei, para não se preocuparem tanto em criar um glossário.

#oreiestanu

——————-

 

Inovação: estragando a festa!

Gostaria que não fosse assim, mas inovação não é esta festa da alegria, com pessoas descendo pelo escorregador, jogando tênis de mesa e definida por quem nunca vivenciou um processo sequer de Inovação.

Refiro-me a ter que inovar para se manter líder mundial, como requisito para sobreviver. Inovação como um processo completo, do insight até o produto na casa do consumidor. Inovação, que no mínimo, exigirá:

. Estreito planejamento e footprint para 20 anos;

. Mapear continuamente o estado da arte /concorrente;

. Validar a proposta, e se não matará alguém em todos os modos de falhas;

. Adequação a legislação para cada país e aos requisitos de Safety, com sanções que quebrarão a empresa;

. Pessoas, tempo e dinheiro limitados e insuficientes;

. Escrever, traduzir e gerenciar depósitos de patentes gigantescos;

. Bancar brigas jurídicas homéricas;

. Sistema, controle, pressão, opção e decisão;

– Exige… (to be continued)

O insight no chuveiro é romântico, mas o que rola são brainstormings intermináveis, com muita “pauleira” e o prazo batendo na porta!

Essa é minha concepção de Inovação, após 21 anos de P&D numa empresa brasileira, 2ª. maior geradora de patentes, líder mundial, com o produto mais eficiente do mundo, no meio de concorrentes colossais .

#oreiestanu

——————————

 

Inovação com escala de trabalho 24×7…    Ainda estragando a festa!

 Compartilho aqui umas das situações mais emblemáticas do processo de criação (e que tendem a não constar nos cursos de inovação a distância):

Estava subindo as escadarias para mais um dia de trabalho quando encontro um amigo descendo, voltando para casa. Isto era 8h da manhã… De domingo!

Trocamos rápidas palavras, cada um do lado da escadaria e no último lance ele me chama:

– Márcio, que dia da semana é hoje?

Claro que havia uma licença poética pelo horário que se deu, mas esta situação é (também) bastante emblemática de quem se propõem a inovar.

Limite de horário é luxo! Seus esforços têm que ser acima da média, do que está se fazendo. Um dia a mais de trabalho, um dia a menos de trabalho!

O que você já faz, a concorrência já mapeou, copiou ou melhorou.

O que você entrega não servirá ao cliente daqui a cinco anos, considerando, por exemplo, a legislação de eficiência energética.

Chega a ser surreal, mas já estamos atrasados com produtos que sequer foram lançados!

Infindáveis testes, combinações, análises. 1.000 produtos testados: 999 OK, 01 não OK! De volta para a prancheta!

Não dá para inovar parando às 17h30!

E o que é pior, ou melhor, na verdade, você não quer parar!

#oreiestanu

—————————–

 

Por que não me falou antes?!

Há cinco anos iniciei meu próprio negócio. Lamento profundamente, por naquela ocasião, não dispor das dicas de não-empreendedores para empreendedores:

. Trabalhar muito;

. Ter uma boa equipe;

. Respeitar a todos;

. Cuidar do cliente;

. Ter um preço justo;

. Ser ético;

. Ser criativo;

. Trabalhar muito (já foi?);

. Aprender com os erros;

. Não desistir;

. Ir à luta;

. Levantar quando cair…

. Acordar cedo (mesmo se o empreendimento for uma boate?)

É sempre bom ter esta visão diferenciada das coisas, com insights tão valiosos, vai me ajudar muito daqui para frente!

#oreiestanu

————–XX————-

Inovação: estragando a Festa!

** Inovar não é, necessariamente, tão simples!!!**

———————-

Cabungos X Tecnologias

Existia até poucas décadas atrás, provavelmente seus pais a vivenciaram, uma indústria bem estabelecida e muito necessária. Tratava-se dos cabungueiros, ou, não suavemente, carregadores de fezes.

Os cabungueiros passavam de casa em casa, substituindo os cabungos (cubos) de suas latrinas, mesmo que você estivesse “obrando” naquele momento. Levavam-nos carregados e os traziam limpos, com cheiro de creolina.

Semanalmente ocorria este trabalho, com o caminhão dos cabungos apontando na esquina, aos gritos de “Olha o caminhão da merda!”, e todos correndo para dentro de suas casas, fechando portas e janelas para escapar da onda fétida que tomava a rua.

E tal serviço gerava um grande número de empregos: cabungueiros, transportadores, tratadores, fabricantes , marceneiros, fornecedores, etc. Indispensável!

Mas eis que vem esta tal da tecnologia, forjada por mentes brilhantes e espíritos inquietos, e dos cabungos passamos aos nossos límpidos vasos sanitários!

E cabungueiros não mais precisavam lidar com nossos excrementos.

Então, por quê, como cabungueiros modernos, amaldiçoamos a viabilidade e a legalidade das novas tecnologias enquanto continuamos a carregar nas costas caixas de pura merda da ignorância, corporativismo e insensatez?

 

#oreiestanu

————————————–